Mostra In-Edit no 12º Festival Se Rasgum

Postado em 13 de novembro de 2017 por Gustavo Aguiar em Mostra de Cinema

Nos dias 13 e 14 de novembro, o Cine Líbero Luxardo recebe a programação gratuita, com uma seleção de nove documentários em curta-metragem relacionados à música

 

Nos últimos anos, o Festival Se Rasgum tem investido na exibição de documentários relacionados à música na programação paralela, como uma forma de incluir mais uma linguagem artística no calendário de atividades e também de apresentar algumas produções inéditas no circuito local. Nesta edição, pela segunda vez, o Se Rasgum tem parceria com o Festival In-Edit Brasil, que este ano traz a Belém uma mostra com nove curtas-metragens, no Cine Líbero Luxardo.

 

A Mostra In-Edit será nos dias 13 e 14 de novembro, a partir das 19h, com entrada franca e os seguintes títulos: “Bambas”, dirigido por Anná; “Piano Forte”, de Anabela Roque; “Samba de Cacete – Alvorada Quilombola”, de André dos Santos e Artur Arias Dutra; “Bendito Batuque”, dirigido por Chico Galvão e Edgard Galvão; “House Sounds”, de Bruno Ramos; “Cinebiogravura”, de Luís Rocha Melo; “Eu sou Raul Torres, violeiro sim Sinhô”, de Leandro Ferrari e Daniel Figueira; “A vida é um improviso”, dirigido e produzido por Vicente Oliveira; e “Cena Musical Contemporânea em 4 Tempos – São Paulo”, de Tamy Marraccini.

 

Segundo Marcelo Aliche, organizador do In-Edit Brasil, o festival apresenta “sua seleção de curtas-metragens de 2017 no Se Rasgum”. “Nestes nove títulos, podemos encontrar histórias das mais diversas correntes musicais e dos quatro cantos do país. O que está em foco não é um estilo musical, nem sequer o presente, e sim, as boas histórias. Você pode encontrar questões de gênero, tradição quilombola, personagens históricos, sons urbanos e muito mais.”

 

O 12º Festival Se Rasgum vai ser realizado de 13 a 18 de novembro, em vários espaços da cidade. Além da Mostra In-Edit, a programação paralela inclui o circuito Musico n The Table, com workshops, painéis e rodada de negócios. Os shows serão a partir do dia 14, no Teatro Margarida Schivasappa, Café com Arte, Ziggy Club, Estação das Docas, Açaí Biruta e Parque dos Igarapés. Esta edição tem patrocínio máster da Oi, com apoio cultural do Oi Futuro, através da Lei Semear, além do patrocínio do Banco da Amazônia pela Lei Rouanet e co-patrocínio da Faculdade Estácio, através da Lei Tó Teixeira. Nesta edição, o Player Oficial é o Spotify, a Budweiser é a Cerveja Oficial, a Rádio Oficial é a Cultura FM e o Veículo Oficial é a TV Liberal.

 

Serviço: Mostra In-Edit no 12º Festival Se Rasgum, dias 13 e 14 de novembro, no Cine Líbero Luxardo (Centur), com entrada franca, a partir das 19h. Programação completa e mais informações em: serasgum.com.br/festival.

 

Programação – Mostra In-Edit no 12º Festival Se Rasgum:


Segunda-feira, 13 de novembro

Bambas (20’) – Direção: Anná

Sinopse: O Samba é feminino? Diversas mulheres sambistas de São Paulo, de diferentes lugares, classes sociais e idades, falam sobre como se impor em um ambiente em que ainda é predominantemente masculino.
Piano Forte (10’) – Direção: Anabela Roque

Sinopse: Maurício Maia é um músico amador, autodidata. Vive na Baixada Fluminense, subúrbio do Rio de Janeiro. Cada vez que quer tocar piano, ele empreende uma viagem desde a periferia até ao centro da cidade. Maurício acredita que a sua música vai guiar o seu futuro, ter um piano é fundamental.

 

Samba de Cacete – Alvorada Quilombola (26’) – Direção: André dos Santos, Artur Arias Dutra

Sinopse: Intimamente ligado ao trabalho na lavoura, o Samba de Cacete é uma tradição cultural da comunidade negra que vive às margens do Rio Tocantins, na região de Oeiras, no Pará. O filme mostra música e danças surgidas no tempo da escravidão.

 

Bendito Batuque (29’) – Diretor: Chico Galvão, Edgard Galvão

Sinopse: A Família Soledade, que vive em um bairro distante em Piracicaba é formada por exímios batuqueiros de umbigada, um ritmo ancestral trazido por negros de Angola e do Congo. Na festa de São João, eles reúnem a comunidade e, junto com batuqueiros de outras cidades, celebram a fertilidade e comungam suas raízes africanas.

 

House Sounds (18’) – Direção: Bruno Ramos

Sinopse: Dois manos da periferia de São Paulo são os responsáveis por divulgar a cultura do Soundsystem nas quebradas da cidade. Aqui, eles mostram as dificuldades do processo de construção do sistema e as influências da música jamaicana em suas vidas.

 

Terça-feira, 14 de novembro

 

Cinebiogravura (28’) – Direção: Luís Rocha Melo

Sinopse: Com apenas recortes de jornal, pedaços de cartas e fotos, o diretor Luiz Rocha Melo conta a história de seu pai, um radialista que comandou um programa de jazz nos anos 50 no Rio de Janeiro, apresentando artistas como Thelonious Monk e Sonny Rollins a seus ouvintes.

 

Eu sou Raul Torres, violeiro sim Sinhô (25’) – Direção: Leandro Ferrari, Daniel Figueira

Sinopse: Raul Torres foi um dos grandes compositores e pesquisadores da música caipira na primeira metade do século XX. Através de depoimentos de músicos e pesquisadores, o documentário relembra sua história e sua importância para o enraizamento da música caipira no cenário musical.

 

A vida é um improviso (28’) – Direção e Produção: Vicente Oliveira

Sinopse: A complexidade e a riqueza musical contida na livre improvisação musical se manifesta em diversos gêneros populares de norte a sul do país. Por meio de depoimentos e apresentações de grandes músicos, o filme entra em contato direto com o universo musical de cada artista, ampliando um pouco mais a compreensão sobre a improvisação na música instrumental brasileira.

 

Cena Musical Contemporânea em 4 Tempos – São Paulo (20’) – Direção: Tamy Marraccini

Sinopse: Três compositores contemporâneos apresentam seus processos criativos e diversas influências: imagens, acontecimentos, lembranças, sonoridades, ritmos, reminiscências sonoras. O filme é uma pequena amostra da cena da música contemporânea de São Paulo, um movimento musical pouco conhecido do grande público.