Poder feminino no Se Rasgum 2018

Postado em 08 de outubro de 2018 por Juliana Camargo em Musica, Programação musical, Sem categoria

Em uma época que se discute amplamente a igualdade de gênero e o protagonismo social das mulheres em diversos setores da sociedade, o Festival Se Rasgum chega a sua 13º edição com o line-up majoritariamente feminino. Das 32 apresentações nacionais e internacionais confirmadas para este ano, 17 delas têm mulheres em suas formações, à frente de bandas, como parte delas ou em suas carreiras solo. São elas também que fecham as noites do festival que este ano traz um novo formato: dias 30 e 31 de outubro o Ziggy Club recebe uma programação especial e dia de 1 a 3 de novembro com shows na Insano Marina Club. Este ano o Festival Se Rasgum tem patrocínio máster de Natura Musical e Oi, através da Lei Semear, do Governo do Estado do Pará. 

Muitas dessas artistas se apresentarão em Belém pela primeira vez. É o caso da atração principal do dia 1 de novembro (quinta-feira), a cantora e compositora paulista Linn da Quebrada. A artista que quebra tabus de gênero e sexualidade ao se afirmar “bicha, trans, preta e periférica”, teve seu álbum de estreia “Pajubá” lançado em 2017. Em pouco tempo chamou atenção de público e mídia com sua música, uma mistura de rap, trap, funk carioca e hip-hop em letras com fortes críticas sociais, muitas em tom de humor – caso de “Enviadescer”, música que lançou Linn para o mercado musical em 2016. Este ano ela teve sua história contada no documentário “Bixa Travesty”, no Festival de Berlim, vencendo na categoria documentário no Teddy Award (competição paralela dedicada ao cinema de temática LGBT).  

Quem também se apresenta pela primeira vez por aqui é a carioca Letrux. A primeira atração que foi confirmada para o Festival é headline no dia 2 de novembro (sexta-feira). Assim como Linn da Quebrada, Letrux (ou Letícia Novaes, seu nome verdadeiro da artista) também lançou seu primeiro disco recentemente, em 2017, mas tem uma carreira conhecida no meio independente com o extinto duo Letuce. O disco de estreia “Noite de Climão” segue uma linha com pitadas de indie-pop, disco e new age e esteve em diversas listas de melhores discos de 2017, como o Prêmio Multishow (melhor disco pelo júri) e Women Music Event (melhor produção). Multifacetada, Letrux também é escritora, poeta e atriz.  

Outra mulher poderosa da música brasileira que encerra a 13º edição do Se Rasgum no dia 3 de novembro (sábado) é a cantora e compositora paulista Céu. Essa é a segunda vez que ela é atração do Festival e traz à Belém o show do álbum “Tropix” de 2016, quarto de sua carreira. O disco marca uma reinvenção em sua obra como artista, explorando novos elementos na sonoridade como a disco music, o R&B, o trip hop, o hip hop e a música eletrônica. Tanto o disco como a turnê deste show vêm sido elogiados pela crítica especializada. Não à toa, figurou na lista de melhores shows da Folha de São Paulo e o álbum entrou para lista dos melhores de 2016 de veículos como O Globo, Rolling Stone Brasil e Estadão. O ápice da consolidação de “Tropix” veio com a premiação nas categorias Melhor Álbum Pop em Língua Portuguesa e Melhor Álbum de Engenharia de Gravação na 17ª edição do Grammy Latino, em 2016. 

Além das grandes atrações que encerram as noites do 13º Festival Se Rasgum, outras mulheres da cena independente da música brasileira completam o time de estrelas feminino. No dia 31/10, no Ziggy Club, a pernambucana Sofia Freire apresenta show da turnê do seu segundo álbum, “Romã”. A icônica banda gaúcha de punk rock Os Replicantes chegará na capital em apresentação liderada pela vocalista Júlia Barth. Completam o time de atrações com mulheres em bandas Plutão Já Foi Planeta, Metá MetáTeach Me Tiger, Tuyo e Carne Doce. Uma das duas atrações internacionais desta edição será a uruguaia Alfonsina 

Vencedoras das Seletivas Se Rasgum dividem palco com headliners 

As mulheres que produzem e movimentam a cena da música independente no Pará também são destaque nos palcos principais do Festival. A novidade fica por conta das revelações vencedoras das Seletivas Se Rasgum 2018: a cantora Thais Badu e o duo Guitarradas das Manas, que estarão no mesmo palco das atrações nacionais e internacionais. As artistas foram duas das quatro atrações vencedoras das Seletivas, realizada no último dia 1 de setembro. Elas conseguiram desbancar mais de 100 projetos inscritos que aspiravam vaga para a edição deste ano. Diferentes em seus estilos musicais, as artistas conquistaram público e crítica através do voto nos quinze minutos que tiveram para apresentar seu repertório.  

Thais Badu trouxe ao palco DJ e dançarinos, apresentando rimas com batidas eletrônicas, regionais e brasileiras.  São esses elementos que a artista trará para o seu primeiro trabalho, “Sou Preta”, em período de produção e que trará temáticas sobre empoderamento feminino, racismo, homofobia e outros tipos de segregação social. Ela é a primeira atração a se apresentar no Insano Marina Club dia 1/11. 

Já o duo Guitarrada das Manas, formado por Beatriz Santos (Beá) e Renata Beckmann, surgiu da inquietação das duas em dar protagonismo a mulheres dentro de um estilo musical dominado por homens, a guitarrada. Elas aliam esta sonoridade regional a um experimentalismo à base do uso de sintetizadores, programações e guitarras.  Elas se apresentarão no último dia do Festival (3/11), abrindo a programação do dia.  

As outras artistas paraenses que se apresentarão na programação oficial do Festival são nomes que já passaram por edições anteriores do Festival como Natália Matos e Liège. A cantora sensação da internet Leona Vingativa também faz uma parceria inédita com o duo Strobo. Outra parceria é o show da Gang do Eletro com a cantora Nanna Reis que irão tocas músicas do Daft Punk. O show, montado para o festival 100 Years of Copyright na Alemanha, faz releitura das músicas do duo francês com pegada regional.